Lançado o livro “Arquitetura de Bibliotecas Universitárias: reflexões sobre design e layout dos espaços”

Padrão

JAN_3640[1]Neste dia 28 de outubro de 2013 na VI Bienal Internacional do Livro de Alagoas, a Profa. Dra. Francisca Rosaline Leite Mota e os Bibliotecários Diogo da Silva Mendes e Micheline Maria da Silva Ribeiro lançaram o livro intitulado “Arquitetura de Bibliotecas Universitárias: reflexões sobre design e layout dos espaços”.

O livro representa uma contribuição para os estudos da área de Biblioteconomia, visto que aborda questões essenciais para a estruturação e funcionamento adequado das Bibliotecas Universitárias. Trata de aspectos relacionados às condições de infraestrutura e instalações físicas, acessibilidade, serviços e segurança, priorizando o conforto e maior comodidade dos usuários.

O Livro foi prefaciado pelo Prof. Dr. Emir José Suaiden, um dos maiores nomes da área de Biblioteconomia do País. Na oportunidade, os autores foram prestigiados pelo Magnifico Reitor Prof. Dr. Eurico Lôbo, o Pró-Reitor de Extensão Eduardo Lyra, a Diretora da Edufal Maria Stela Torres Barros Lameiras, o Prof. Marcelo Dantas Aguiar de São Paulo, professores Adriana Lourenço e Marcos Aurélio Gomes do Curso de Biblioteconomia, Alan Jardel e Andrea Pereira do Curso de Letras da UFAL, Junia Meira, Nutricionista do HUPAA/UFAL, além de familiares e amigos.

Projeto Pró-carroceiros agrega comunidade lagunar de Maceió em comemoração ao Dia da Criança

Padrão

Por Diana Monteiro – jornalista. Publicado originalmente no Portal da UFAL (http://www.ufal.edu.br/ufal/noticias/2013/10/projeto-pro-carroceiros-agrega-comunidade-lagunar-de-maceio-em-comemoracao-ao-dia-da-crianca).

20131017 - bibliocarroca dia criancas (2)A comunidade do Vergel do Lago e Dique Estrada teve a oportunidade de comemorar este ano a Semana da Criança com ações inovadoras: na abertura dia 8, alunos da Escola Estadual Maria Rita Lyra participaram no bairro de um desfile puxado por uma carroça com livros, e no dia 11 foram contemplados com atividades promovidas pelo projeto Biblioencanta, sob a coordenação da professora Adriana Lourenço, do curso de Biblioteconomia da Universidade Federal de Alagoas.

No desfile foi apresentada à comunidadea Bibliocarroça, que consiste em um projeto multidisciplinar de incentivo à leitura de forma lúdica para as crianças e jovens da comunidade da região lagunar aproveitando o contexto de sua realidade: “a carroça”. A carroça foi montada de forma aconchegante e convidativa a uma boa leitura, vislumbrando a implantação do projeto em 2014.

“A carroça será uma biblioteca itinerante e servirá como um agente de incentivo à leitura. Leitura forma cidadã e cidadão e transforma seu meio ambiente”, diz a coordenadora Adriana Lourenço. O projeto é uma extensão do Biblioencanta e conta atualmente com um acervo inicial de obras literárias infanto-juvenis para atender à Associação dos Carroceiros e comunidade da região lagunar.

20131017 - bibliocarroca dia criancas (1)A atividade do dia 11 de outubro, coordenada pelo projeto Biblioencanta proporcionou à contação de histórias para crianças da Escola Estadual Maria Rita Lyra, dentre elas, filhos de carroceiros ou crianças que direta ou indiretamente vivem no ambiente onde há o desempenho dessa atividade.

A Semana da Criança na comunidade do Dique Estrada e Vergel do lago foi promovida pela Associação dos Carroceiros da Região Lagunar, criada a partir do Projeto Pró-Carroceiros, fruto da parceria entre a Ufal, Universidade Solidária (Unisol) e Banco Santander. O projeto é uma das ações do Projeto Vet Legal, coordenado pelo professor Pierre Barnabé, do curso de Medicina Veterinária da Unidade de Ensino Viçosa e foi o vencedor do Prêmio Santander Universidades Solidárias 2012.

“As comemorações envolveram cerca de 200 crianças, teve como objetivo integrar a comunidade do Vergel do lago e Dique Estrada à Associação dos Carroceiros e também fortalecer os projetos de extensão implantados pela Universidade Federal de Alagoas naquela região lagunar”, frisou Pierre Escodro. Entre os projetos estão Alfabetização Digital Bibliocarroça, Cursos de capacitação e formação e Ambulatório de Saúde Animal. Há a participação de alunos e docentes dos cursos de Pedagogia, Serviço Social, Letras, Direito, Medicina Veterinária, Biblioteconomia e Zootecnia.

20131017 - bibliocarroca dia criancasPierre destaca que atualmente a Associação conta com 16 carroceiros, mas diz que até março de 2015 irá aglutinar cerca de 40 carroceiros. ”Para ser associado o carroceiro tem que se capacitar e, principalmente, cuidar muito bem de seu animal. Porém, prestamos serviços de saúde, educação e veterinária para mais de 200 carroceiros na região do Dique Estrada e do Vergel do Lago”, enfatizou o professor.

Estudantes de Biblioteconomia farão visita técnica no Rio de Janeiro

Padrão

Por Deriky Pereira – estudante de Jornalismo. Publicado originalmente em http://www.ufal.edu.br/estudante/noticias/2013-1/09/estudantes-de-biblioteconomia-farao-visita-tecnica-no-rio-de-janeiro

Antes da viagem, estudantes posam em frente ao ônibus da Ufal

Antes da viagem, estudantes posam em frente ao ônibus da Ufal

Quarenta e três estudantes do curso de Biblioteconomia da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) viajam para o Rio de Janeiro nesta sexta-feira, 20, para participarem de uma visita técnica em instituições relacionadas a área. Quem acompanha os alunos nesta missão é a professora Nelma Camelo de Araújo, que falou sobre a importância desta viagem, a primeira que eles estão fazendo para fora do Estado.

“Essa viagem é importante para que os alunos possam conhecer instituições que são referencias na nossa área no Brasil. A atividade, inclusive, está relacionada aos 15 anos do curso”, disse Nelma. Durante uma semana, os alunos terão a oportunidade de conhecer a Fundação Biblioteca Nacional, Biblioteca Parque de Manguinhos, a Biblioteca do Gabinete Real da Língua Portuguesa, o Museu do Mar e o Jardim Botânico.

“Além disso, as atividades estão inseridas no PPP [Projeto Político Pedagógico] do curso e os demais professores passaram tarefas relacionadas às disciplinas para que os alunos que estão viajando tragam aos que ficaram”, completou a professora. Ainda segundo ela, os estudantes vão fazer uma visita ao Centro Histórico do Rio de Janeiro.

Alunos de Biblioteconomia viajam para o Rio de Janeiro

Alunos de Biblioteconomia viajam para o Rio de Janeiro

“É uma experiência muito interessante para que os estudantes possam ver como se comportam esses profissionais, abrir os horizontes, além de ver as oportunidades da área. Sem contar que a Fundação Biblioteca Nacional vai emitir certificados de 40h para os alunos”, destacou a professora Nelma Camelo. Os estudantes viajam no ônibus cedido pela Ufal e o retorno será na sexta-feira seguinte, dia 27.

Biblioteconomia e IGDEMA juntos em ações interdisciplinares

Padrão
Profa. Rosaline Mota, Profa. Silvana Quintela Cavalcanti e Igor Rozendo

Profa. Rosaline Mota, Profa. Silvana Quintela Cavalcanti e Igor Rozendo

A Profa. Dra. Rosaline Mota reuniu-se no último 21 de agosto com a Profa. Dra. Silvana Quintela Cavalcanti do IGDEMA e o aluno de Geografia Igor Rozendo com vistas a discutir as ações interdisciplinares para efetivar o desenvolvimento do mapa que irá retratar o fluxo de atendimento das gestantes atendidas na rede pública de saúde, desde a Atenção Básica até a Média e Alta Complexidade.

A Profa. Dra. Silvana Quintela Cavalcanti mostrou-se extremamente receptiva e disposta a dar o apoio necessário ao projeto. O aluno Igor Rozendo procederá o mapeamento das Unidades Básicas de Saúde e demais instituições de atendimento à gestantes.   “O apoio da professora Silvana será decisivo para o êxito de nossas propostas” afirmou a professora Rosaline.

Blog reúne postagens do movimento social afro-brasileiro em Alagoas

Padrão

Por Lenilda Luna – jornalista. Publicado originalmente no Portal da UFAL <http://www.ufal.edu.br/noticias/2013/08/blog-reune-postagens-do-movimento-social-afro-brasileiro-em-alagoas>

 

Clara Suassuna, diretora do Neab, e o professor Ronaldo Araújo. Foto: Lenilda Luna

Clara Suassuna, diretora do Neab, e o professor Ronaldo Araújo. Foto: Lenilda Luna

O site Òde Ayê Conectado (http://odeayeconectado.org/) será lançado nesta quinta-feira, a partir das 19 horas, no no restaurante Akuaba. A proposta é reunir as postagens de pelo menos 19 blogs ou sites relacionados ao movimento negro em Alagoas. O professor Ronaldo Araújo, de Biblioteconomia, estudioso do ativismo online, e o professor Sivaldo Pereira, de Comunicação, pesquisador sobre a internet, orientaram os bolsistas sobre o embasamento teórico do projeto. “Estamos trabalhando de forma interdisciplinar, com estudantes de Direito, Psicologia, Ciências Sociais e Comunicação. O primeiro passo foi fazer uma conceituação e diagnóstico destes movimentos, depois, cada estudante, em sua área, produziu textos que serão utilizados em uma oficina”, explicou Ronaldo Araújo.

 A ideia é agregar as informações das várias entidades, que tem objetivos comuns. “Percebemos que o movimento negro em Alagoas é bastante distribuído, mas não fragmentado. Podem ser várias entidades, mas que se reúnem em torno de uma agenda comum. Por isso, nossa proposta é agregar as postagens de todos esses atores em um único site, para facilitar o acesso a essas produções. Ao clicar no link, o internauta é direcionado para o blog original, porque nossa intenção não é diminuir o número de visitantes deles, pelo contrário, queremos ajudar a divulgar. Queremos compartilhar as novidades”, ressalta Ronaldo.

Professor Ronaldo Araújo, estudioso do ativismo online. Foto: Lenilda Luna.

Professor Ronaldo Araújo, estudioso do ativismo online. Foto: Lenilda Luna.

Além do aspecto informativo, o projeto quer fomentar o ativismo online. A expressão Òde ayê vem do bantu, dialeto africano que influenciou muitas palavras utilizadas no Brasil, e significa “Para Todos”. Segundo Ronaldo Araújo, os textos compartilhados são notícias sobre as atividades dos movimentos, reflexões sobre as questões étnicas, informações culturais, mas também convocam para manifestações.”O site é resultado de um esforço que conjuga extensão e pesquisa em torno da apropriação tecnológica por movimentos sociais, e no contexto da cultura digital ele pretende reunir e mediar a produção de informações sobre os movimentos sociais afroalagoanos indicando seus atores e suas narrativas”, destaca Ronaldo Araújo.

 Apoio aos cotistas

O projeto Óde Ayê faz parte de um programa mais amplo, que leva o mesmo nome. De acordo com a coordenadora do Núcleo de Estudos Afro Brasileiros (Neab), Clara Suassuna, os estudantes da Ufal, principalmente aqueles que são aprovados pelo sistema de cotas para afro-descendentes, têm um perfil de baixa renda e encontram muitas dificuldades para se manter no curso. “São alunos que muitas vezes não têm o dinheiro da passagem para vir aos campus todos os dias, por isso, as bolsas de permanência são tão importantes para evitar a desistência deles”, ressalta Clara.

No período de 2005 a 2007, boa parte destes estudantes encontrou apoio no programa Afroatitude, que era financiado pelo Ministério da Saúde. Mas a extinção do programa deixou uma lacuna. “Então as universidades encontraram alternativas para manter as bolsas para afro-descendentes cotistas. Na Ufal, em 2009, criamos o Òde Ayê, que mantém 30 bolsas. Além disso, esses estudantes de baixa renda contam com outros programas da política estudantil desenvolvida pela Proest. Hoje são cerca de mil bolsas para possibilitar que os estudantes mantenham suas atividades acadêmicas”, relata Clara Suassuna.

Os estudantes do projeto Òde Ayê participam de cerca de 26 projetos de extensão aprovados pela Proex. Alguns destes projetos já foram premiados nacionalmente, como a história em quadrinhos “Bonita, como eu!”, produzida pelas alunas Mariana Petróvana e Janaína Araújo. A história ganhou um prêmio no Concurso Nacional de Histórias em Quadrinhos “Irineo José Guimarães” , em 2012, promovido pela Secretaria de Cultura e Turismo de Ponta Grossa, no Rio Grande do Sul. Uma outra história produzida pelas mesmas alunas, “Preto, que nem carvão!”, foi premiada no Concurso Alagoas de Quadrinhos, da Imprensa Oficial do Estado de Alagoas.

Grupo de projeto do PAINTER se reúne nesta sexta-feira

Padrão

 

Membros do Projeto “Tecnologias de informação e comunicação para subsidiar a criação e divulgação de protocolos de classificação de risco para o atendimento e cuidados de gestantes” na reunião do dia 09/08/2013

Membros do Projeto “Tecnologias de informação e comunicação para subsidiar a criação e divulgação de protocolos de classificação de risco para o atendimento e cuidados de gestantes” na reunião do dia 09/08/2013

Hoje, dia 09, no Laboratório de Técnicas Documentárias do Curso de Biblioteconomia, foi realizada mais uma reunião para dar continuidade às ações do Projeto “Tecnologias de informação e comunicação para subsidiar a criação e divulgação de protocolos de classificação de risco para o atendimento e cuidados de gestantes” pertencente ao Programa de Ações Interdisciplinares (Painter) da Universidade Federal de Alagoas.

Sob coordenação da Professora Dra. Rosaline Mota, foram dados direcionamentos tendo em vista o cronograma para a sequência das atividades, alinhadas aos objetivos propostos no Projeto. Fizeram-se presentes os discentes na condição de bolsistas, Rafael Santos de Souza, Eliana Neves Pereira da Silva e Guto Cruz Nascimento (Biblioteconomia), Dione Francisca dos Santos e Crecilânia da Silva Brito (Enfermagem) e Igor Ramon Alves Rozendo (Geografia). Também participaram da reunião a discente Maytê Luanna Dias de Melo (Biblioteconomia) como colaboradora e o Bibliotecário Bruno Melo que assumirá o papel de líder na mediação dos processos de operacionalização das atividades junto às instituições de saúde envolvidas no projeto. A Professora Dra. Rosaline Mota ressaltou a importância do trabalho colaborativo e interdisciplinar e afirma que “a participação do Bibliotecário Bruno Melo será decisiva para o sucesso das ações. É hora de arregaçar as mangas, vislumbrar o futuro e avançar. Cada um dos alunos possui papel estratégico e somente com o envolvimento e entusiasmo de todos é que lograremos êxito”.

Nos próximos dias, seguindo a ordem de atividades estabelecidas, serão realizadas novas reuniões para discussão e consolidação de referenciais teóricos do projeto, bem como a definição das estratégias para delinear o processo de georeferenciamento das instituições de saúde do estado de Alagoas.

Projeto incentiva uso de bibliotecas entre comunidades carentes de leitura

Padrão

Por Jhonathan Pino – jornalista. Publicado originalmente no Portal da UFAL em http://www.ufal.edu.br/noticias/2013/08/projeto-incentiva-uso-de-bibliotecas-entre-comunidades-carentes-de-leitura

Grupo Bibliocanta acompanha três instituições em seu primeiro ano de atividades. Foto: Jhonathan Pino.

Grupo Bibliocanta acompanha três instituições em seu primeiro ano de atividades. Foto: Jhonathan Pino.

Toda terça-feira o grupo Biblioencanta formado por alunos, professores e técnicos administrativos, se reúnem no curso de Biblioteconomia com uma missão: difundir a leitura. Eles criam dinâmicas, peças teatrais com personagens literários e muitas vezes passam a noite pensando em formas criativas para transformar as bibliotecas em fontes de imaginação. O grupo faz parte do Projeto de Extensão Incentivo à leitura por meio da hora do Conto, em seu primeiro ano de atuação.

O grupo já atende a três instituições: o Lar das Meninas, Localizado na Gruta de Lourdes, o Instituto de Estudos Herculano Pires, situado no Alto do Céu, e a Escola do Sesi, no Cambona, onde 18 turmas do primeiro ao sexto ano recebem visitas dos 13 voluntários para a contação de histórias, além de atender a convites para apresentação em diferentes locais. “Há dinâmica de música e brincadeiras, sempre levando as crianças a se interessarem pela leitura , fazendo com que elas criem o hábito de tomar emprestado os livros das bibliotecas dessas instituições”, relata Adriana Lourenço, coordenadora do projeto.

Adriana Lourenço relata que outras instituições já buscaram o projeto, mas o número de voluntário e insuficiente para atender a toda a demanda. Foto: Jhonathan Pino.

Adriana Lourenço relata que outras instituições já buscaram o projeto, mas o número de voluntário e insuficiente para atender a toda a demanda. Foto: Jhonathan Pino.

A professora comemora os bons resultados, ao falar que no Instituto Herculano Pires, as crianças já criaram o costume de pegar livros semanais para casa, mas complementa que nas comunidades com carência de leitura, o desincentivo é maior que o incentivo.

“As crianças são desestimuladas a leitura por desconhecer a existência das bibliotecas. Outras vezes as próprias escolas não fazem empréstimos dos seus livros para conservá-los, o que acarreta um desinteresse durante a formação das crianças. É necessário um trabalho de conscientização tanto das crianças, quanto dos educadores”, esclarece Adriana.

Pesquisa e extensão

Os voluntários do grupo Biblioencanta se reúnem, todas as terças-feiras para ensaiar as atividades lúdicas, que são realizadas uma vez por mês nas instituições. Esse trabalho é produzido sobre a orientação teórica de estudiosos do tema, já que o projeto nasceu do Grupo de Pesquisa Leitura, Biblioteca Escolar e Cidadania, que acredita no papel da leitura como agente de transformação social.

Pensando em diminuir os efeitos de estatísticas do relatório da pesquisa Retratos da Leitura no Brasil, que aponta o número decrescente de leitores brasileiros, o projeto visa contribuir para uma mudança do atual perfil de leitores do Brasil, mais especificamente de crianças em risco social atendidas por instituições da cidade de Maceió.

Antes de realizar as atividades, os contadores de histórias passaram por capacitação. Foto: Jhonathan Pino.

Antes de realizar as atividades, os contadores de histórias passaram por capacitação. Foto: Jhonathan Pino.

Adriana acrescenta que a contação de histórias foi uma das formas encontradas para superar essa realidade “entendendo que quanto mais cedo histórias orais e escritas entrarem na vida da criança, maiores a chance dela gostar de ler, vê-se a importância do incentivo à leitura para a formação de leitores e cidadãos”, defende a coordenadora.