Lançado o livro “Arquitetura de Bibliotecas Universitárias: reflexões sobre design e layout dos espaços”

Padrão

JAN_3640[1]Neste dia 28 de outubro de 2013 na VI Bienal Internacional do Livro de Alagoas, a Profa. Dra. Francisca Rosaline Leite Mota e os Bibliotecários Diogo da Silva Mendes e Micheline Maria da Silva Ribeiro lançaram o livro intitulado “Arquitetura de Bibliotecas Universitárias: reflexões sobre design e layout dos espaços”.

O livro representa uma contribuição para os estudos da área de Biblioteconomia, visto que aborda questões essenciais para a estruturação e funcionamento adequado das Bibliotecas Universitárias. Trata de aspectos relacionados às condições de infraestrutura e instalações físicas, acessibilidade, serviços e segurança, priorizando o conforto e maior comodidade dos usuários.

O Livro foi prefaciado pelo Prof. Dr. Emir José Suaiden, um dos maiores nomes da área de Biblioteconomia do País. Na oportunidade, os autores foram prestigiados pelo Magnifico Reitor Prof. Dr. Eurico Lôbo, o Pró-Reitor de Extensão Eduardo Lyra, a Diretora da Edufal Maria Stela Torres Barros Lameiras, o Prof. Marcelo Dantas Aguiar de São Paulo, professores Adriana Lourenço e Marcos Aurélio Gomes do Curso de Biblioteconomia, Alan Jardel e Andrea Pereira do Curso de Letras da UFAL, Junia Meira, Nutricionista do HUPAA/UFAL, além de familiares e amigos.

Convite para o lançamento do livro FRAGMENTOS MEMORIOGRÁFICOS DO GABINETE DE LEITURA DE MACEIÓ

Padrão

O lançamento do livro de Roselito de Oliveira Santos e Elione Maria Nogueira Diógenes está agendado para o dia 31 de outubro (quinta-feira) de 2013 , às 19h00, no Café Literário Cantinho das Ideias – Centro de Convenções Ruth Cardoso.

Roselito de Oliveira Santos

Roselito de Oliveira Santos

“Este livro trata de um tema urgente no Brasil. Apesar de abordar um período que muita gente não lembra mais sejaporque nem era nascido seja porque não temos a prática cultural de memoriografar nossos ditos e feitos; o assunto é atual numa sociedade em que o problema da leitura é cada vez mais denunciado e onde o número de analfabetos reais com os funcionais só recrudesce. Os autores do livro, pensando em recuperar a memória do fazer leitura em Maceió do século XIX debruçaram-se sobre as fontes e foram em busca dos elos perdidos. Muita coisa foi possível reconstruir, outras não. O estudo expresso no livro aqui desenhado foi instigante, mas deixou os autores com um gostinho “amargo” na boca, o de concluírem que a prática de leitura em Maceió quase inexistiu, e, mesmo o Gabinete de Leitura funcionou mais como um ícone do que como um espaço de aprendizado e de práticas dialógicas. Com o livro, pensamos que é possível refletir nossas práticas culturais no cenário contemporâneo mesmo que a sociedade de hoje aponte para uma realidade um tanto desalentadora, quanto à melhoria da qualidade do ensino público, logo, da cultura da leitura em nosso Estado. Sabemos que não é fácil se efetuar mudanças radicais quanto metade da população (ou mais) está preocupada com a imediata questão de sobrevivência, contudo alertamos que além da fome de pão, precisamos matar a fome de sensibilidade, de afeto, de solidariedade, de companheirismo, de paz, de diálogo, de construção do conhecimento vivo e autêntico capaz de impulsionar mudanças objetivas e subjetivas. Não temos uma postura ingênua, porém acreditamos que “outro mundo é possível” e na construção positiva desse outro mundo, entra o encontro e o reencontro perdido com as práticas de leitura reflexivas e com as narrativas expressas nas estórias de contar de nossos avós, bisavós e demais ancestrais. Fica, pois, o convite ao leitor: adentre as páginas deste livro, pois, é ele, travessia segura para entender um pouco o caminho do descaso com a educação em Alagoas do século XXI. O que hoje está consolidado foi no ontem plantado. E pode ser modificado.”

 

Luiz Fernando Gomes lançará livros na Bienal

Padrão

Luis Fernando GomesLuiz Fernando Gomes é natural de Sorocaba (SP) desde há um bom tempo. Em 2012, publicou o livro Palavrando: poemas inconformados, no formato impresso, já na segunda reimpressão, e também como e-book, pelo Clube de Autores. Escrever é sua profissão, mas a literatura é sua identidade. Doutor em Linguística Aplicada, pela Unicamp, na área de linguagem e tecnologia, com pesquisas sobre hipertextos multimodais, sobre o uso das tecnologias no ensino superior e sobre a cultura visual. É professor do Programa de Pós-Graduação da Universidade de Sorocaba. Atualmente, porém, por conta de seu pós-doc na Unicamp, está lecionando no Programa de Pós-graduação em Letras e Linguística da Universidade Federal de Alagoas, onde também realiza os trabalhos de campo para sua pesquisa. Autor dos livros Hipertextos multimodais: leitura e escrita na era digital e Hipertexto no cotidiano escolar. Também é editor da Quaestio — Revista de Estudos em Educação e Diretor da Eduniso (Editora da Universidade de Sorocaba).

A Mão que fazia desaparecer e outras histórias impossíveis

Os aborígenes australianos acreditavam que o mundo surgiu dos sonhos: o homem sonhava as plantas e os animais e, depois, registrava tudo nas pinturas que fazia nas rochas e nas cavernas; essas imagens ganhavam alma, se materializavam e acabaram caracterizando tudo que existe no planeta.

Em A mão que fazia desaparecer e outras histórias impossíveis, Luiz Fernando Gomes sonha um novo mundo, em que a loucura passa a ser núcleo das ações, e registra tudo nas páginas deste livro. São homens que voam como pássaros, espíritos que se encontram com seus corpos, cães que andam apenas com seus esqueletos, tintas que saem pintando tudo que veem pela frente…

Ao serem lidas, as fantásticas palavras de Luiz Fernando são personificadas, assumem um corpo e se difundem para compor um universo insólito na mente dos

João Paulo Hergesel
Escritor, professor e mestrando em Comunicação e Cultura

PRIMEIRAS PALAVRAS

Resolvi escrever esse livro por não acreditar em biografias, nem na memória. Quase não tenho histórias sobre minha mãe, meu pai. Tenho pedaços ouvidos em noites de sábado, quando eu os visitava e conversávamos com mais calma e tempo. Meu avô nunca me contou histórias, nem sobre a vida dele.

Escrevi esse livro por que acredito na lembrança e na história de cada um de nós que, pequenos, somos parte da grande narrativa universal, que não em início, nem fim nem meio.

A trajetória da vida do meu avô é quase insignificante, inclusive para nossa família, mas é extremamente significativa, especialmente para nossa família e, certamente, para Deus, a quem ele, finalmente, acorreu, depois de longa odisseia pelos interiores e fins-de-mundo sem fim.

 O homem aventureiro, sem eira nem beira, que vem de longe de repente e que volta para o nada que é tudo, numa madrugada nebulosa tantas vezes me encantou, se não como avô, mas como personagem de Conrad. O boêmio sertanejo, o matuto de facão e cotia, enxada e toucinho defumado, era também um homem da música. E aí estabelecemos outra aventura: a de cantar e contar, revelar, o que se sente no fundo da alma. Ele e a viola dele. Nos bailes e festas sertanejas de há tantos anos. Nos bancos frios e duros das manhãs e das tardes na igreja, ou templo, com a irmandade, que, ao final o acolheu e abrigou.

Sertanejo transcultural e híbrido, um viajante a pé e um violeiro definitivo. Cantou o amor e a malandragem caipira, da vida da roça. Na fé e pelo temor de Deus, compôs hinos que visualizo sendo executados pelos irmãos, na igreja, em coro crente e sincero. Suas louvações são, mais que tudo, a razão desse livro, pois revelam a conversão do descrente: apropriou novo vocabulário de convertido, novo gênero musical mas não deixou de ser um violeiro encantado cantando seu novo, último e definitivo amor.

Esse foi Sebastião, meu avô, pai de minha mãe.

Luiz Fernando Gomes

IV SEMINÁRIO ALAGOANO DE TELEMEDICINA E TELESSAÚDE

Padrão

IV SEMINÁRIO ALAGOANO DE TELEMEDICINA E TELESSAÚDE
II ENCONTRO ESTADUAL DE TELESSAÚDE
I ENCONTRO ESTADUAL DO PROVAB
24 e 25/10/2013

Cartaz - IV SEMINÁRIO ALAGOANO DE TELEMEDICINA E TELESSAÚDEO IV SEMINÁRIO ALAGOANO DE TELEMEDICINA E TELESSAÚDE, a ser realizado em conjunto com o II ENCONTRO ESTADUAL DE TELESSAÚDE e o I ENCONTRO ESTADUAL DO PROVAB, objetiva, de modo geral, fomentar o debate e a produção de conhecimentos científicos e práticos no contexto do acesso e uso de informação para saúde no Brasil, e, em especial, Alagoas.

Com a discussão da temática “Desafios da Gestão Informacional e Tecnológica em Saúde no Brasil” espera-se, promover reflexões acerca do uso da informação e informática para o bem comum, social e para melhoria das atividades preconizadas pelas Redes de Atenção à Saúde.

Mais informações

 

 

 

 

 

 

 

Projeto Pró-carroceiros agrega comunidade lagunar de Maceió em comemoração ao Dia da Criança

Padrão

Por Diana Monteiro – jornalista. Publicado originalmente no Portal da UFAL (http://www.ufal.edu.br/ufal/noticias/2013/10/projeto-pro-carroceiros-agrega-comunidade-lagunar-de-maceio-em-comemoracao-ao-dia-da-crianca).

20131017 - bibliocarroca dia criancas (2)A comunidade do Vergel do Lago e Dique Estrada teve a oportunidade de comemorar este ano a Semana da Criança com ações inovadoras: na abertura dia 8, alunos da Escola Estadual Maria Rita Lyra participaram no bairro de um desfile puxado por uma carroça com livros, e no dia 11 foram contemplados com atividades promovidas pelo projeto Biblioencanta, sob a coordenação da professora Adriana Lourenço, do curso de Biblioteconomia da Universidade Federal de Alagoas.

No desfile foi apresentada à comunidadea Bibliocarroça, que consiste em um projeto multidisciplinar de incentivo à leitura de forma lúdica para as crianças e jovens da comunidade da região lagunar aproveitando o contexto de sua realidade: “a carroça”. A carroça foi montada de forma aconchegante e convidativa a uma boa leitura, vislumbrando a implantação do projeto em 2014.

“A carroça será uma biblioteca itinerante e servirá como um agente de incentivo à leitura. Leitura forma cidadã e cidadão e transforma seu meio ambiente”, diz a coordenadora Adriana Lourenço. O projeto é uma extensão do Biblioencanta e conta atualmente com um acervo inicial de obras literárias infanto-juvenis para atender à Associação dos Carroceiros e comunidade da região lagunar.

20131017 - bibliocarroca dia criancas (1)A atividade do dia 11 de outubro, coordenada pelo projeto Biblioencanta proporcionou à contação de histórias para crianças da Escola Estadual Maria Rita Lyra, dentre elas, filhos de carroceiros ou crianças que direta ou indiretamente vivem no ambiente onde há o desempenho dessa atividade.

A Semana da Criança na comunidade do Dique Estrada e Vergel do lago foi promovida pela Associação dos Carroceiros da Região Lagunar, criada a partir do Projeto Pró-Carroceiros, fruto da parceria entre a Ufal, Universidade Solidária (Unisol) e Banco Santander. O projeto é uma das ações do Projeto Vet Legal, coordenado pelo professor Pierre Barnabé, do curso de Medicina Veterinária da Unidade de Ensino Viçosa e foi o vencedor do Prêmio Santander Universidades Solidárias 2012.

“As comemorações envolveram cerca de 200 crianças, teve como objetivo integrar a comunidade do Vergel do lago e Dique Estrada à Associação dos Carroceiros e também fortalecer os projetos de extensão implantados pela Universidade Federal de Alagoas naquela região lagunar”, frisou Pierre Escodro. Entre os projetos estão Alfabetização Digital Bibliocarroça, Cursos de capacitação e formação e Ambulatório de Saúde Animal. Há a participação de alunos e docentes dos cursos de Pedagogia, Serviço Social, Letras, Direito, Medicina Veterinária, Biblioteconomia e Zootecnia.

20131017 - bibliocarroca dia criancasPierre destaca que atualmente a Associação conta com 16 carroceiros, mas diz que até março de 2015 irá aglutinar cerca de 40 carroceiros. ”Para ser associado o carroceiro tem que se capacitar e, principalmente, cuidar muito bem de seu animal. Porém, prestamos serviços de saúde, educação e veterinária para mais de 200 carroceiros na região do Dique Estrada e do Vergel do Lago”, enfatizou o professor.

Biblioteconomia conectada: análise da biblioblogosfera brasileira

Padrão

Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis (Brasil) – ISSN 1414-0594

Autores
Ronaldo Ferreira de Araujo, Josemar Coltt da Silva Teixeira

Resumo
Pesquisa exploratória de abordagem cibermétrica que analisa a blogosfera composta por blogs de biblioteconomia do Brasil. A biblioblogosfera foi mapeada no período setembro de 2011 a abril de 2012, junto ao Diretório de Blogs do Google por meio do descritor “biblioteconomia” e complementada a partir do blogroll dos primeiros blogs identificados. Foi reunida uma amostragem intencional aleatória de 100 blogs, analisa quanto ao gênero e tipificação; provedores e recursos de compartilhamento; interatividade e; abordagem temática. Criados entre 2002 e 2012, a maioria dos blogs está concentrada na Região Sudeste, com predominância de autoria de blogueiras, cunho individual e profissional, sendo mais informativos do que reflexivos. Além da conectividade verificada, os recursos de compartilhamento mais usados são o facebook e o twitter. Os termos de maior incidência são “biblioteca”, “informação” e “livro” e os assuntos e temas mais publicados versão sobre “formação profissional e mercado de trabalho”. No contexto atual tais ambientes não podem ser desconsiderados por estudiosos que refletem sobre a área, o profissional da informação e sua atuação.

Palavras-chave
Blogs; Biblioblogosfera Brasileira; Cibermetria; Análise de Redes Sociais

Texto completo
http://revistaacb.emnuvens.com.br/racb/article/view/924

Biblioteconomia conectada: análise da biblioblogosfera brasileira